domingo, 26 de junho de 2016

Onkelus teria sido ainda maior se tivesse nascido Judeu?



Rabino Miller questiona: Onkelus teria sido ainda maior se tivesse nascido Judeu?
De It Is Forever (#R12) 

P:  Por que foram tão grandes personalidades, como Onkelus, nasceu gentio, não teria eles terem sido maiores se tivessem nascido Judeus?

R: Você poderia perguntar por que Avraham Avinu não nasceu Judeu? Avraham nasceu como um ben Noach, e não um Judeu. A resposta é que era seu teste e ele passou no teste e é isso que fez Avraham grande.


Era os dez testes que Avraham passou que o fez grande. As grandes pessoas que vieram a nós de outra parte, que ficaram sob as asas da Shechiná (Presença Divina), são especialmente amados por causa disso.


Era seu teste e ele passou no teste

Na Torá há uma mitsvá especial para amar um ger (convertido), como o Rambam disse "ahavas hager, sh’ba v’nichnas tachas kanfei hashechinah — ele veio e entrou debaixo das asas da Shechiná." O que está a dizer-nos o Rambam? O que é um ger? Nós sabemos o que um ger é! O Rambam está nos dizendo porque é uma mitsvá especial para amar um ger: Ele veio por ele mesmo, e é isso que fez Onkelus tão grande.

Onkelus tinha tantos obstáculos, ele nasceu em uma casa real. Ele era sobrinho do Domiciano, Domiciano o homem mau, que era ainda um rashá aos olhos de seus companheiros Romanos; certamente ele era um inimigo dos Judeus. E, no entanto, Onkelus persistiu nos seus caminhos. Para ele, era um benefício que lhe foi dado a oportunidade de romper barreiras e vir sob o kanfei hashchinah.

Por: Living With Hashem/Rabbi Avigdor Miller.
Copyright © 2016, All rights reserved.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Gevalt!!! Nunca perca a esperança! Não há desespero. Likutey Moharan II, 78 (Rabino Nachman de Breslov).



‘Gevalt!!! Nunca perca a esperança! Não há desespero’ Likutey Moharan II, 78 (Rabino Nachman de Breslov).

Em acreditar no Santíssimo, abençoado seja Ele antes, durante e depois de fazer algo em nossa vida, quando estamos servindo-O, ou o que precisamos fazer em nosso trabalho, na escola, na universidade, entre qualquer atividade... Hashem está lá para nos dar as ferrametas e habilidades para realizar algo, se algo não funcionar, Hashem tem uma boa razão para as coisas estarem indo como se fosse contra a nossa vontade, é uma triste notícia, eu sei, então com fé, paciência, lágrimas oramos a Hashem, pedindo com um coração amoroso para o Pai do Céu pela Sua ajuda.

Sabemos que há momentos difíceis, mas tudo pode voltar-se para o bem, quando estamos acreditando em D-us, exatamente quando as coisas estão tão ruins, lá em nosso coração a Luz Divina fica iluminando sempre, podemos ler a Torá, há (milagres, salvação, santidade), Gevalt, diga "Sim" Eu acredito em Tu, meu S-nhor.

Shalom,

Gilson Sasson.

domingo, 12 de junho de 2016

A agenda de Rebbe Nachman



Oração protege uma pessoa de modo que seu estudo de Torá não vai levar a arrogância ou sofisticação. Portanto, antes de aprender Torá, é preciso rezar profusamente ...

Por: Rabino Shalom Arush.

Rebbe Nachman diz que a nossa agenda diária deve ser de oração, Torá, e oração. Vamos ver o que ele quer dizer.

 Há uma diferença básica entre a Árvore da Vida e da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, indicada em seus nomes. A Árvore da Vida é a própria vida, inerentemente bom. No entanto, na Árvore do Conhecimento, há uma mistura de bem e mal. Nossos sábios dizem-nos que a Árvore da Vida corresponde a oração, pois a oração não só revitaliza uma pessoa, mas dá vida a todos os mundos superiores (ver Likutei Moharan I:9). 

A oração é o produto de humildade. Aquele que ora, faz uma declaração de que ele não pode ter sucesso por conta própria. Todos nós precisamos de ajuda de Hashem em todos os aspectos da vida ­- saúde, renda, felicidade conjugal, Torá, criar os filhos e muito mais. Não podemos nem mesmo atravessar a rua com segurança ou pregar um prego na parede, sem martelar um dedo a menos que tenhamos a ajuda de Hashem. Portanto, devemos acreditar que Hashem é a fonte de todo o poder, e nós, consequentemente, devemos voltar a Ele para todas as nossas necessidades, grandes e pequenas, materiais e espirituais. A oração é a Árvore da Vida, pois nos liga à Fonte de toda vida - Hashem.

Por outro lado, a sagrada Torá corresponde a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, e não porque a Torá contém o bem e o mal, Deus me livre, mas porque a Torá apresenta o conceito de livre escolha para uma pessoa. Como tal, se as intenções de uma pessoa no estudo da Torá são outros que procurar a verdade, então a Torá será prejudicial para ele; por exemplo, um ladrão que aprende Torá irá simplesmente tornar-se um ladrão mais astuto e sofisticado. Nossos sábios, portanto, dizeram da Torá que, "se um assim o merecer, a Torá é para ele o elixir da vida, se ele não merece, a Torá torna-se para ele a porção da morte" (tratado Taanit, 7a). A mesma Torá pode trazer uma pessoa para um nível superior de justiça enquanto para outra pessoa para maior vaidade. Como tal, a sagrada Torá corresponde a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, tudo dependendo das aspirações internas de cada indivíduo e de acordo com sua escolha.

A Torá descreve que a Árvore da Vida está no centro do jardim, pois o jardim é uma metáfora das almas Judias. Rebbe Nachman explica (Likutei Moharan II: 8) que as almas do Povo Judeu são como ervas que crescem em um jardim e que a Árvore da Vida está em nosso meio. Isto significa que a Torá é inerente à dimensão interior da alma Judaica. A oração também é parte da nossa composição interna, uma vez que detém uma parte tão vital e central em nossas vidas e na nossa saúde corpo-mente-e-alma.

Oração resgata uma pessoa da potencial influência negativa da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. Oração protege uma pessoa de modo que seu estudo de Torá não vai levar a arrogância ou sofisticação. Portanto, antes de aprender Torá, é preciso rezar profusamente que ele deriva as coisas certas da Torá – reforçando seu temor e amor de Hashem, medo do pecado, amor ao companheiro humano, modéstia e emuna. Depois de aprender Torá, ele deve rezar para que ele seja capaz de aplicar tudo o que ele aprendeu no serviço de Hashem, e graças a Hashem pelo privilégio de aprender a sagrada Torá.

A oração é inerente ao nosso meio espiritual, mas devemos trazê-lo para o aberto. Portanto, é melhor vocalizar nossas orações, dizendo palavra por palavra lentamente e com intenção, se estamos dizendo orações prescritas ou orações pessoais. Isso nos permite atingir as influências positivas da Árvore do Conhecimento, na medida em que a Torá torna-se um elixir da vida, pois a Torá é verdadeiramente uma Árvore da Vida para aqueles que se agarram a ela, em verdade. Portanto, o nosso estudo de Torá deve ser envolto em oração, antes de aprender e depois de aprender. A Gemara fala sobre o santo sábio Tannaico, o Rebe Nechunia ben Hakanna (autor da oração "Ana B'koach"); ele orava, brevemente, quando ele entrava na casa de estudo antes de aprender, e quando ele deixava a casa de estudos, depois de aprender (ver tratat9 Berachot, 28b). Antes de aprender, ele rezava para aprender pelas razões certas. Depois de aprender, ele dava graças a Hashem para sua boa fortuna com o privilégio de ter aprendido Torá. Devemos fazer o mesmo para que todos possamos merecer bênçãos em nosso estudo de Torá.


Originalmente do website da Breslev Israel.

domingo, 29 de maio de 2016

Esteja ciente de Hashem



Qual é a finalidade que Hashem faz às vezes as coisas que são contraditórias aos [Seus} princípios de bondade? A resposta é que há uma grande bondade que é de suma importância. E essa é a bondade chamado yiras Hashem — ter medo de Hashem. A maior realização que um homem pode realizar em sua vida é yiras Hashem. Agora preste atenção: Yiras Hashem significa estar ciente da presença de HaKadosh Baruch Hu. Quanto mais você está ciente, mais você é bem sucedido. — The Wine of Prayer  (# 555)

Por Rabino Avigdor Miller.

Copyright © 2014, All rights reserved.

Website: http://www.simchashachaim.com

domingo, 22 de maio de 2016

Michel Temer - Carta para o senhor Presidente Interino do Brasil



Proteção e Preservação da Amazônia e Pantanal.

DESMATAMENTO, BIOPIRATARIA, PERDA DE DIREITOS HUMANOS!!!

Devastação da fauna e flora, Biopirataria e a Exploração e Perda de direitos dos habitantes indígenas, mesmo que não percebemos no dia a dia os efeitos diretos à nós, devemos dar atenção a exploração ilegal na Amazônia e Pantanal, é um fato não muito discutido pelos políticos e pouca repercusão prolongada na mídia.

Nós Brasileiros que tivemos o mérito que Deus nos deu para representar a Amazônia e Pantanal, muito pouco fizemos para proteger os recursos naturais, a fauna e a flora e ainda o devido cuidado com os povos que vivem lá.

Seria bom para realizar uma nova agenda, apresentar ideias, planos, leis que possam realmente funcionar para a Proteção, Preservação pois é bom para o Brasil e para todo o mundo.

Carta para o senhor Presidente Interino do Brasil Michel Temer.


Att,
Gilson R. Arruda

sábado, 21 de maio de 2016

Não perca por causa da raiva



Seria bom para todo o Israel ter riqueza, mas há um traço que interfere e faz com que eles percam isso. A característica em questão é um traço muito ruim e inferior do qual é muito difícil escapar. Às vezes, uma pessoa quer escapar dessa característica de um desejo para a própria riqueza, a fim de não perder dinheiro, mas mesmo assim esta característica má ataca desde a infância, fazendo-o perder o dinheiro que ele deveria ter tido.

O traço mal que faz com que uma pessoa perca o dinheiro que ele deveria ter tido é a raiva. A razão para isso é que, na sua própria raiz e fonte espiritual, a riqueza está na mesma categoria que a raiva. Assim, quando o maligno vê um fluxo de influência descendente para trazer riqueza para uma pessoa, ele a transforma em raiva, porque, na sua raiz, a raiva e a riqueza estão na mesma categoria: ambos descendem de poderosos poderes de Deus, decorrente do mesmo lugar. "Surge do norte um dourado esplendor" (Jó 37:22) e "É do norte que advirá o mal" (Jeremias 1:14).

A riqueza é uma "parede" (chOmah), enquanto a raiva (chEYmah) são as ruínas da parede. Assim, quando o maligno vê que um fluxo de riqueza –chOmah, uma "parede" – está sendo enviado para uma pessoa – ele vira esse fluxo em raiva, o envio de algo para tornar a pessoa com raiva. Assim, a "parede", chOmah é arruinado por causa da raiva; chEYmah. Desde que a raiva e a riqueza estão na raiz de uma categoria, o maligno pode facilmente transformar o fluxo de riqueza em raiva.

E saiba que, mesmo se a influência descendente já atingiu uma pessoa e se transformou em riqueza real, uma "parede", o maligno pode ainda, por vezes, tentar a pessoa a tornar-se tão enfurecido que ele perde até mesmo o seu dinheiro e riqueza existente. Pode-se pensar que, após a bênção ter chegado a ele e se transformou em riqueza, seria impossível para o maligno transformá-lo de volta em raiva. A riqueza deve ter sido uma "parede" para protegê-lo do mal e impedindo-o de sucumbir à raiva, que é o oposto de uma "parede". No entanto, o maligno tem o poder de atacar uma pessoa com tanta raiva que ele perde até mesmo o dinheiro que ele já tem.

Que Deus nos proteja e nos salve desse traço desprezível! Amém.


Likutey Moharan I, 68


Retirado do livro ESSENTIAL RABBI NACHMAN.
Editado por Azamra Institute, Terra Santa.